Energia e logística são focos de investidores chineses para os próximos anos

Parcerias consolidam mercado e diminuem riscos nos projetos. PPI soma mais de R$ 262 bilhões.

Os setores de energia e logística estão na mira de investidores chineses. “Nos últimos 10 anos, eles fizeram grandes aquisições de linhas de transmissão, hidrelétricas e distribuição de energia”, explica André Clark, CEO da Siemens no Brasil e diretor do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China).

Nas áreas de logística, como portos, ferrovias e área urbana, as licitações em aberto ultrapassam os R$ 120 bilhões e podem ampliar esta relação. “Os chineses têm interesses muito concretos no Brasil, é uma economia complementar em vários aspectos”, afirma Clark.

 

Essa presença, que tende a se expandir nos próximos anos, já é de peso no país. O Brasil já é o 4º maior destino dos investimentos chineses em áreas como infraestrutura e energia e os chineses estão entre os 10 maiores clientes da Siemens no Brasil.

 

Um exemplo de parceria é de 2018, quando a Siemens acertou com a CPFL Energia –empresa controlada pela gigante chinesa State Grid– a entrega de projeto de desenvolvimento de 2 sistemas digitais para a CPFL Paulista de transmissão de energia, que atinge cerca de 4,4 milhões de clientes.

 

Os casos de parceria em investimentos chineses são numerosos pelo mundo, dada a presença local combinado com uma expertise global em projetos de infraestrutura. No fim de 2017, a Siemens entregou a maior linha de transmissão de corrente de energia contínua da América Latina, com o avançado sistema HVDC (high-voltage direct current).

 

Na Turquia, uma parceria com a empresa China Tianchen Engineering Corporation,  permitiu a construção de uma das maiores fábricas de carbonato de sódio do mundo, que produz 2,5 milhões de toneladas de carbonato de sódio e 200 mil toneladas de bicarbonato de sódio. Na República Democrática do Congo, a Siemens forneceu sistemas de controle para o maior projeto de mineração de cobre na África com investimento das empresas chinesas, o Sicomines.

 

Na Arábia Saudita, junto a empresa Sinopec Oilfield Service Corporation, a Siemens participou do desenvolvimento de um projeto de tubulação automatizada para levar água da cidade de Al-Khobar para Al-Hasa. Aprimorar as técnicas de irrigação é fundamental em uma região tão seca, e a parceria entre as empresas permitiu a construção de uma estação de bombeamento de água e outra 6 estações vinculadas.

 

Para Túlio Cariello, coordenador de Análise e Pesquisa do CEBC (Conselho Empresarial Brasil China), “a partir do momento que o governo brasileiro criar projetos de atração de investimentos estrangeiros, vai ter investidor chinês interessado”. Essa movimentação já está muito clara, afirma Túlio, “se não, eles não teriam aportado tanto dinheiro assim, principalmente na área de energia”.

 

André Clark explica que os chineses se comportam como investidores profissionais no Brasil e tomam decisões racionais, econômica e financeiramente. Esse comportamento é um dos motivos que tornaram a China o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009, e mantém taxas de crescimento econômico anual acima de 6%.

 

No caso da China, uma parte grande dos investimentos são realizadas por grandes empresas estatais que estão articuladas fortemente com o planejamento central do governo chinês”, diz Célio Hiratuka, professor de economia da Unicamp e especialista em economia chinesa. Por esse motivo, “os chineses têm uma forma de fazer negócio que é muito particular”, que valoriza o contato pessoal, conhecimento prévio do setor e aproximação dos negócios.

 

O potencial de parcerias para empresas locais começa já no planejamento. Projetos de grande porte, característicos desses setores, contam com a participação de várias empresas durante as etapas de planejamento e execução. A Siemens, por exemplo, é parceira dessas empresas e atua na venda de equipamentos, engenharia, integração e em toda a área de controle de software.

 

“As empresas chinesas são tipicamente interessadas em alta tecnologia e trazem um mix de engenheiros chineses e brasileiros muito competentes”, explica Clark. Durante a execução, especialistas (empresas especializadas nas execuções de projetos) são contratadas com frequência. “É um cliente tipicamente muito técnico e, portanto, valoriza a boa técnica”, afirma o CEO.

Segurança Jurídica

Segurança jurídica é fundamental para a atração de investimentos estrangeiros, afirma Clark. No dia 20 de setembro, o governo federal baixou o Decreto 10.025, que pode favorecer a atração e movimentação de capital no país. O decreto regulamenta a solução de litígios contratuais por meio de arbitragem (quando as partes transferem a responsabilidade de solucionar um conflito para um terceiro, dispensando a judicialização do processo).

 

A medida beneficia diretamente os setores de logística, como o portuário, ferroviário, transporte rodoviário e de aeroportos, e já vale para os processos em andamento, além dos projetos futuros.

 

Somente nos setores ferroviário, rodoviário, de aeroportos e portos, há 33 projetos do PPI (Programa de Parceria de Investimentos) em andamento, que somam R$ 120 bilhões de investimento. Já os setores de energia, óleo e gás somam mais de R$ 142 bilhões.

 

Garantia jurídica e abertura de licitações, com planejamento e antecedência, são essenciais para o sucesso dos empreendimentos. “Quanto mais cedo e com maior antecedência, melhor para estudar os projetos, e investir em análise de retorno e de engenharia”, afirma Clark.

 

No setor de infraestrutura urbana, a expectativa é alta para a aprovação da nova lei de saneamento básico, que libera a abertura de licitações que permitem a contratação de empresas privadas e públicas para a prestação dos serviços de saneamento. Atualmente, a legislação dá preferência para empresas públicas executarem esses serviços.

 

A nova lei de saneamento traz consigo grande quantidade de investimento”, explica Clark. De acordo com o CEO, “o acesso do mercado privado com segurança jurídica pode trazer uma quantidade muito grande de investimentos para estas áreas, em nível estadual e municipal”.

Investimentos nos estados e municípios

Nos últimos anos, governos estaduais e municipais têm tomado a frente nas relações bilaterais entre Brasil e China, preparando e organizando o mercado para a iniciativa privada. Essa movimentação abre uma nova frente de possíveis negócios para empresas locais.

 

Estados como São Paulo, Piauí e Rio Grande do Sul vêm estreitando as relações com as empresas chinesas. Em agosto deste ano, São Paulo inaugurou um escritório em Xangai, capital chinesa, com objetivo de fortalecer e ampliar relações comerciais.

Outra movimentação recente é a formação de consórcios estaduais com objetivo de estabelecer diálogo com os chineses. Os Estados do Nordeste, por exemplo, estão se organizando nessa linha e se tornaram a menina dos olhos de empresas chinesas como a Huawei, ZTE, Dahua e Hikvision.

 

Consórcios sempre chamam muito atenção, porque a integração logística dessa região faz os projetos de infraestrutura ainda mais interessantes”, explica Clark, que também faz parte da diretoria do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China). “Se os Estados conseguem se organizar institucionalmente para oferecer bons projetos logísticos, o projeto tem mais valor e tende a se tornar mais robusto e de melhor qualidade”, afirma.

 

O engajamento estratégico do Brasil, em nível federal, estadual e municipal, abre oportunidades para a entrada de investimentos chineses, mas requer preparação e estrutura para receber os investidores mas também para a escolha de parceiros de longo prazo e de confiança, que potencializem os projetos.

Conteúdo produzido e veiculado pelo Poder 360, disponível no link