Por que as palavras da minha mãe não me pararam

Siemens Stories

O sonho de uma garotinha

Zehra Kaval foi da Turquia para a Alemanha em 1971, quando tinha 3 anos, como filha de trabalhadores imigrantes. Hoje, ela se orgulha por ter alcançado sua ambição pessoal e agora trabalha como Assistente de Gerência na Divisão Digital Factory. Foram necessários 35 anos de trabalho duro para tornar esse sonho realidade, mas mesmo aos 5 anos de idade ela já sabia o que queria fazer.

 

“Quando eu tinha 5 anos, minha mãe costumava fazer bicos como faxineira na Siemens. Nossa vida era muito modesta e, como não tínhamos banheiro, podíamos usar os chuveiros da Siemens uma vez por semana. Certa vez, quando estávamos lá, eu olhei para as salas amplas e bonitas, a mobília adorável, e perguntei maravilhada à minha mãe: ‘Quem é que mora aqui, mamãe?’ Ela respondeu com uma risada: ‘Ninguém mora aqui, filhinha. Aqui são escritórios. Os chefes trabalham aqui com suas secretárias.’ Então eu disse animada: ‘Mamãe, quando eu crescer, vou ser secretária na Siemens também!’ Ela sorriu e respondeu: ‘Querida, seu pai e eu somos trabalhadores externos. Você trabalhará na fábrica como eu, e talvez você não esteja na limpeza, mas você não trabalhará num escritório como este.’ Ao ser trazida do meu mundo de sonho para a realidade, fiquei muito triste e deixei aquele objetivo para lá (por ora).

Alguns anos mais tarde, depois que eu completei um programa de aprendizagem, fui trabalhar em uma fábrica da Grundig. As demissões começaram dois anos depois, mas a mim ofereceram treinamento adicional. Eu vi aí minha oportunidade e o meu sonho ficou bem mais próximo de mim. Eu completei um programa de aprendizagem em administração industrial e, logo em seguida, uma agência de empregos temporários me colocou na Siemens. Meio ano depois, em 1º de janeiro de 2000, fui contratada como assistente de equipe.

 

Quando eu visitei a minha mãe em Izmir, alguns anos atrás, eu rememorei com ela essa passagem da minha infância. Perguntei-lhe se se lembrava disso e ela disse: ‘Sim, você olhou para mim com olhos brilhantes e eu apenas sorri. Mas você me provou que é possível.’ Seus olhos se encheram de lágrimas quando olhou para mim orgulhosa.

 

Meu trabalho é minha vocação e minha paixão. É difícil descrever o orgulho que tenho dessa garotinha que ficou cochichando dentro de mim: ‘Você pode alcançar qualquer coisa se você quiser isso de verdade.’”