8 megatendências que você deve ficar atento

O mundo do trabalho vem passando por muitas mudanças e os profissionais precisam acompanhar as revoluções que estão acontecendo no mercado

Carreira na era digital

A quarta revolução industrial traz grandes transformações para o mercado de trabalho. Listamos aqui oito megatendências que os profissionais precisam ficar atentos

Até 2021, pelo menos 50% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial será digitalizado, estimulado pela transformação dos negócios, segundo a consultoria IDC. A quarta revolução industrial tem potencial para melhorar a fabricação de produtos, aumentar o engajamento com clientes, elevar a qualidade de vida e também mudar o cenário do mundo do trabalho. As novas tecnologias exigem novas habilidades e os que estiverem em linha com as exigências do mercado na era digital vão se dar bem.

 

 

Veja a seguir oito megatendências sobre o futuro do trabalho -e que você deve ficar atento:

Cibersegurança

A digitalização e a adoção de novas tecnologias melhoram a vida das pessoas e as economias, mas aumentam também o risco de ataques cibernéticos. É necessário reforçar medidas contra falhas e ameaças de segurança nas fábricas digitais, cidades inteligentes, redes de energia em diversos sistemas para evitar interrupção de serviços. Esse cenário mostra o quanto será importante o papel dos especialistas em cibersegurança. Um estudo global conduzido pelas consultorias Booz Allen Hamilton e Frost & Sullivan revela que em 2020 haverá escassez de talentos com conhecimento em segurança digital. Entre os profissionais que serão mais requisitados estão engenheiros de cibersegurança; analista de segurança e defesa digital; profissionais com know-how em gerenciamento de operações e segurança; incidente e ameaças forenses; e aqueles que tenham conhecimentos em governança risco e compliance; entre outros.  

Internet das coisas

Aproximadamente 20 bilhões de objetos serão conectados à internet das coisas (IoT) até 2020, de acordo com projeções do instituto de pesquisas Gartner. A previsão inclui objetos com função dedicada como máquinas de venda automática, motores, turbinas e carros conectados. A tecnologia permite sentir, medir e mediar tudo, desde oleodutos até o corpo humano, gerando dados para tomada de decisão com mais rapidez e assertividade. Sua expansão terá um grande impacto na economia global pela capacidade de transformar negócios. Esse avanço amplia os horizontes no mercado de trabalho futuro para engenheiros especializados em automação industrial, analistas de internet das coisas, desenvolvedores de software, profissionais com domínio em segurança digital e outros talentos com habilidade para lidar com as novas tecnologias.

 

Inteligência Artificial

Com enorme poder computacional para automação e processar dados em grandes volumes, a inteligência artificial (IA) é uma das tecnologias que mais vai crescer nas próximas décadas. Ela é fundamental para otimizar instalações da indústria 4.0, construir cidades inteligentes e moldar a sociedade do futuro. Já há muitos robôs com IA atuando como assistentes virtuais em call centers, fábricas digitais, apoiando médicos na descoberta de diagnósticos e em outras atividades. A IA está substituindo a mão de obra física em diversas tarefas e tende a ocupar cargos de muitos profissionais nos próximos anos, alterando a paisagem do mundo do trabalho. No entanto, estudos do Gartner indicam que a inteligência artificial vai gerar mais empregos do que eliminar. A previsão da consultoria é de que essa tecnologia criará 2,3 milhões de novas oportunidades de emprego no mercado mundial até 2020. O Massachusetts Institute of Technology (MIT) destaca três profissões novas que vão surgir para lidar com a IA: Explainers (responsáveis por interpretar o funcionamento complexo dos algoritmos de preservação e análise das informações), Trainers (profissionais que criam algoritmos para que IA simule comportamentos humanos e linguagem mais natural possível); Sustainers (encarregados por avaliar se os sistemas de IA estão em operação conforme o planejado).

 

Big data analytics

Os avanços da Internet das Coisas (IoT), das aplicações de inteligência artificial e de outras tecnologias, geram montanhas de dados que a cada segundo podem transformar negócios. Com estratégias de big data analytics, é possível cruzar informações, fazer correlações, traçar tendências e prever o futuro. São insights que identificam novas oportunidades, ações para personalizar produtos e agilizar processos internos. Mais que um conjunto de ferramentas para garimpar informações de valor para a tomada de decisão, as empresas precisam de cientistas de dados, um talento raro não só no Brasil. Esse profissional é difícil de ser encontrado por causa da exigência do seu perfil. Ele tem que saber matemática, estatística, conhecer tecnologia e ter visão de negócios. São competências que vão além de uma única formação. Por isso, os que investirem nessa área podem se dar bem no mercado de trabalho. As profissões que estão sendo criadas para domar o big data analytics são, além do cientista de dados, engenheiro de dados e estrategista de dados.  

 

 

Indústria 4.0

A quarta revolução industrial, chamada de indústria 4.0, propõe a transformação das fábricas para mais eficiência, flexibilidade e personalização de produtos de acordo com a demanda do cliente. Empresas de manufaturas e fornecedores de tecnologias, precisam de profissionais com graduação em engenharia (de diversas áreas), especialistas em automação, robótica e talentos com domínio das novas plataformas digitais para acelerar a indústria 4.0 com inovação em todo o mundo. Um levantamento do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) apontou o surgimento de novas profissões como: mecânico de veículos híbridos; mecânico especialista em telemetria, programador de unidades de controles eletrônicos e técnico em informática veicular.

 

Energia Renovável

A energia é o principal contribuinte para mudanças climáticas, responsável por cerca de 60% das emissões globais de gases do efeito estufa, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Para reverter esse quadro, países do mundo inteiro estão investindo na transição energética que propõe a substituição de sistemas de geração de energia convencionais, que utilizam fontes poluentes (petróleo, carvão) pelas fontes renováveis, com inteligência e eficiência operacional. O esforço das nações por uma energia mais limpa gera impacto positivo no mercado de trabalho. As profissões do futuro para quem ambiciona fazer parte da transição energética são: engenheiros (com especialização em diferentes ramos como ambiental, civil, aeroespacial, mecânica, qualidade, sistemas elétricos etc.), biólogos, geólogos, bem como tecnólogos, especialistas em meteorologia, entre outros.

 

Impressão 3D

O primeiro carro produzido via Impressão 3D deverá entrar nas linhas de fabricação em 2022. Dois anos depois, em 2024, a medicina será capaz de realizar o primeiro transplante de fígado com órgão artificial criado com essa tecnologia, segundo previsão do World Economic Forum. A impressão 3D está transformando os processos de fabricação permitindo desenvolvimento de protótipos de peças e uma infinidade de produtos para qualquer segmento da economia com mais rapidez e menos custos. A tecnologia abriu espaço para inovação, alterou a forma como os profissionais trabalham e colocam suas ideias em prática. Agora a prototipagem pode ser realizada em qualquer lugar, possibilitando que pequenos empreendedores fabriquem coisas que antes só as grandes empresas conseguiam. A tecnologia pode ser usada tanto por projetistas 3D, engenheiros da indústria automotiva quanto por designers de produtos para o consumidor e inúmeros profissionais para lançamento de seus inventos. O Senai destaca como profissões do futuro nessa área, os cargos de designer 3D e projetistas para tecnologia 3D.

Smart city

Previsões da Organização das Nações Unidas (ONU) estimam que a população mundial chegará a 10 bilhões em 2050 e que 2/3 ou pouco mais de 66% das pessoas estarão morando em grandes centros urbanos. Os dados sinalizam o surgimento de megacidades que vão precisar de soluções integradas para resolver os desafios diários das grandes metrópoles. A sugestão da ONU é que os governantes pensem em cidades inteligentes e sustentáveis. Esses projetos vão demandar muita mão de obra especializada em diversas tecnologias para monitoramento de serviços em tempo real como arquitetos, urbanistas, engenheiros e outros profissionais especializados em mobilidade urbana para o século XXI. Haverá espaço também para talentos com expertise nas tecnologias que conectam os meios de transportes para reduzir os gargalos de trânsito dos grandes centros, dotando as cidades de infraestrutura inteligente.

 

Quer saber mais?

Fique atualizado o tempo todo: tudo o que você precisa sobre transição energética, automação e digitalização! 

Receba nossa Newsletter com as principais notícias.

Inscreva-se agora!