Qual é a diferença entre Internet das Coisas e Inteligência Artificial?

É comum que novas tecnologias avancem tão rápido que acabamos sem saber mais o que é o que. Isso fica ainda mais confuso quando tratamos de tecnologias dependentes entre si, como Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Você sabe como elas se conectam?

O que é Internet das Coisas?

Também conhecido como IoT (por conta da abreviação do inglês Internet of Things),

esse conceito se refere aos objetos que estão conectados à rede. As utilidades principais

são a automação e o acesso remoto, além da coleta de dados que permitem avaliar

como aquele objeto está funcionando. Hoje, já existem muitos usos para essa tecnologia, clique nos botões abaixo para entender melhor cada aplicação desse conceito!

Embora ainda seja um conceito novo no Brasil, as casas inteligentes já são uma realidade em outros países, com diversos produtos específicos voltados para funcionar como uma central de controle para todos os aparelhos e eletrodomésticos automatizados das residências. A Amazon, por exemplo, oferece aos seus clientes o Echo, enquanto a Google tem o Google Home Hub em seu portfólio de produtos dessa categoria.

 

Esses aparelhos, que contam com assistentes digitais baseadas em Inteligência Artificial, funcionam para centralizar todas as configurações de outros aparelhos conectados na casa, como geladeiras, lâmpadas, máquinas de lavar roupa, aspiradores robô, ar-condicionado, máquinas de café, persianas, fechaduras e câmeras de vigilância.

 

Isso permite que o dono da casa personalize os aparelhos para funcionarem de acordo com sua rotina. Graças à IoT, é possível, por exemplo, programar a iluminação da casa e as persianas para funcionarem em conjunto, criando um ambiente favorável para a hora de dormir e o despertar. Aparelhos como câmeras e drones individuais podem ser controlados à distância graças à IoT, permitindo que o usuário monitore sua residência ou fique de olho em um pet deixado em casa sozinho.

 

Apartamentos inteligentes já começaram a chegar ao Brasil. Em São Paulo, o serviço é oferecido em condomínios de flats de alto padrão nos distritos comerciais da cidade. É importante ressaltar que, para o funcionamento ideal desse tipo de moradia, é necessária uma rede de internet de alta velocidade que esteja configurada para suportar as demandas de todos os aparelhos.

IoT no Escritório

Nos escritórios, a Internet das Coisas pode representar uma economia significativa quando pensamos em uso de energia e controle de suprimentos. Com sistemas de iluminação e ar-condicionado conectados, é possível evitar, por exemplo, custos desnecessários com salas de reunião que não estão em uso.

 

Além dos benefícios relacionados ao custo, ao ter aparelhos inteligentes conectados a uma central de controle é possível melhorar a eficiência dos funcionários, criando ambientes mais propícios para cada de tarefa, controlando a temperatura e qualidade do ar.

 

Em termos de suprimento, sistemas conectados graças à IoT evitam desperdícios e permitem que insumos sejam encomendados automaticamente por impressoras, garantindo a continuidade do serviço sem interrupções. Ao integrar esse sistema aos recursos de TI já existentes nos escritórios, é possível também monitorar e controlar o uso de materiais como papel e plástico, especialmente importante num mundo que se preocupa cada vez mais com o meio ambiente.

 

Com salas de reunião e aparelhos conectados, a necessidade de ter pessoas no escritório durante todo o horário comercial também é reduzida, permitindo aos profissionais um maior equilíbrio entre vida pessoal e vida profissional. Hoje, já é possível trabalhar em escritórios virtuais que conectam funcionários onde quer que eles estejam, sem risco de segurança às redes e aos dados das empresas.

IoT na Indústria

Nas indústrias, a Internet das Coisas permite conectar informações de toda a cadeia produtiva, concentrando dados e informações na nuvem e permitindo análises em tempo real de cada parte do processo de produção. Com cada equipamento e máquina conectado em rede e disponibilizando informações em tempo real, é possível realizar manutenções e paradas de forma mais organizada e sem tanto impacto no negócio, monitorar a qualidade da produção, controlar os processos de maneira remota e garantir que os insumos e materiais estejam sendo geridos da maneira mais eficiente possível.

 

Além disso, graças à IoT, é possível melhorar o relacionamento das fabricantes com o consumidor final dos produtos, que passam a ter a opção de informar em tempo real como estão utilizando seus aparelhos smart, permitindo ao fabricante coletar informações que ajudem a definir mudanças e melhorias que se adequem à necessidade dos clientes de cada localidade. É o caso, por exemplo, dos automóveis com conexão, que informam às fabricantes como o desempenho muda de acordo com o uso.

O que é Inteligência Artificial?

A resposta é fácil: é quando uma máquina imita a capacidade humana de raciocinar. A complexidade disso e as possibilidades que essa tecnologia oferece, no entanto, merecem uma resposta mais longa.

 

O cérebro humano aprende com exemplos. Quando falamos em inteligência artificial, estamos

falando de algoritmos que permitem que máquinas aprendam da mesma forma e que façam coisas

que, hoje, são feitas por pessoas.

 

Assistentes virtuais de nossos smartphones e chatbots de serviços de diversas empresas são

exemplos do uso da Inteligência Artificial. Essas tecnologias usam os dados que milhões de pessoas

do mundo todo geram todos os dias para dar respostas melhores às nossas perguntas. O

aprendizado vem da coleta de grandes volumes de dados que são analisados e interpretados pelos

algoritmos, resultando em melhorias automáticas a cada novo uso.

 

É por isso que quanto mais usamos nossos aparelhos conectados, mais inteligentes eles se tornam:

eles aprendem com a nossa reação aos seus resultados. Graças à internet, às redes de altíssima

velocidade e ao armazenamento de quantidades imensas de dados na nuvem, é possível que a Inteligência Artificial aprenda com milhões de pessoas ao mesmo tempo, tornando o aprendizado

Por que essas tecnologias se confundem?

A confusão existe porque, sem Internet das Coisas, fica complicado aplicar a Inteligência Artificial às situações do cotidiano. É só com os dados gerados por objetos conectados à internet que os algoritmos que fazem com que as máquinas aprendam e possam funcionar. Da mesma forma, a IoT precisa da Inteligência Artificial para conseguir analisar os dados coletados sem a necessidade de um humano realizando esse processamento para dar resultados imediatos e automáticos.

Quer saber mais?

Fique atualizado o tempo todo: tudo o que você precisa sobre transição energética, automação e digitalização! 

Receba nossa Newsletter com as principais notícias.

Inscreva-se agora!