Um "Boom" de petróleo no Brasil

Navios enormes chamados navios flutuantes de produção, armazenamento e descarga (FPSO) tornaram possível o boom de petróleo no exterior do Brasil. A Siemens recentemente assinou um acordo com o construtor de navios MODEC para fornecer turbinas e compressores para o Carioca, o mais novo navio que deve explorar as ricas reservas de "pré-sal" do país.

Por Chris Kraul

Uma das histórias de sucesso mais atraentes da indústria global de energia do novo milênio foi a descoberta do Brasil de até 50 bilhões de barris de petróleo bruto sob o fundo do oceano em suas profundas águas atlânticas. Desde o início da produção em 2009, o desenvolvimento brasileiro de suas reservas offshore de "pré-sal" tornou o país sul-americano o nono maior produtor mundial de petróleo e o converteu de importador em exportador de energia.

 

A MODEC, uma empresa de construção naval do Japão controlada pela Mitsubishi, desempenhou um papel fundamental em ajudar o país sul-americano a explorar suas ricas reservas de energia, fornecendo um elo crítico na cadeia de produção: embarcações flutuantes de produção, armazenamento e descarga (FPSO). Até o momento, a empresa entregou doze navios FPSO para a empresa de petróleo controlada pelo Estado brasileira, a Petrobras.

 

Um navio multitarefa

Com custo de até US $ 1,8 bilhão cada, os FPSOs desempenham múltiplas funções bombeando fluidos e gás natural dos reservatórios submarinos que ficam a uma milha ou mais abaixo da superfície do oceano e depois separando o gás bruto e associado da água e impurezas. Os FPSOs então armazenam os hidrocarbonetos para futura transferência para a costa via navios-tanque. Os navios também vêm equipados com compressores de alta potência para reinjetar a água tratada e o CO2 de volta na cabeça do poço.
 

Os navios MODEC são gigantes auto-suficientes. Eles podem processar até 180.000 barris de petróleo por dia e armazenar mais de 1,4 milhão de barris. Eles são abastecidos principalmente pelo gás natural associado que é bombeado juntamente com o petróleo bruto, evitando a necessidade de enormes suprimentos de combustível. Sem os FPSOs, a exploração brasileira de sua região "pré-sal" offshore seria impossível, diz o vice-presidente do MODEC, Puneet Sharma.

 

"Eles forneceram à Petrobras a solução para o desenvolvimento de seus campos de águas ultraprofundas", diz Sharma, que está sediado no escritório da empresa em Houston, onde chefia o grupo Atlantic Project Development da empresa.

 

Eles [os FPSO's] forneceram à Petrobras a solução para o desenvolvimento de seus campos de águas ultraprofundas.
Puneet Sharma, vice-presidente do MODEC

Potência máxima, espaço mínimo

Com os novos FPSOs aumentando de tamanho - o mais recente navio do MODEC é três vezes maior que o modelo original lançado em 1986 - e com projetos que exigem maior capacidade de processamento, as usinas dos navios assumiram um papel cada vez mais crítico. É aí que a Siemens entra.

 

Após assinar um contrato com a Petrobras para entregar o gigante FPSO Carioca em 2020, o MODEC selecionou a Siemens para fornecer a peça de geração de energia para consistir em quatro turbinas a gás aeroderivativas SGT-A35, cada uma capaz de gerar 30 megawatts de eletricidade.


"É um mecanismo que evoluiu ao longo do tempo para produzir mais energia de alta densidade que você precisa no exterior: a maior quantidade de energia na menor quantidade de espaço", diz Eric Carlos, vice-presidente de petróleo e gás das Américas da Siemens em Houston.

Sharma, da MODEC, diz que um dos principais pontos de venda do pacote de energia da Siemens, o primeiro que a Siemens vendeu para o MODEC, é que ele será totalmente integrado aos principais receptores dessa energia: duas unidades de compressor de DATUM de CO2 acionadas por SGT-A35 (também fabricadas pela Siemens) que reinjetará o CO2 associado ao petróleo de volta ao reservatório de profundidade

As aquisições tornaram o negócio possível

O acordo com a MODEC foi possível graças a duas aquisições da Siemens que agora estão dando frutos no mercado. A primeira foi a compra da divisão de energia da Rolls-Royce, seguida pela aquisição da Dresser-Rand. A combinação tornou possível o design da Siemens de uma solução integrada de compressor de geração de energia que ocupa a menor quantidade de espaço a bordo.


Sharma, da MODEC, diz que o acordo com a Siemens quebrou o costume de longa data de sua empresa de usar apenas turbinas a gás da GE. "Com a aquisição da Dresser-Rand e Rolls-Royce Energy, estávamos dispostos a experimentar a Siemens", diz Sharma.

Para alcançar economias de escala, os FPSOs devem operar de maneira eficiente e contínua - não apenas para manter o produto processado fluindo, mas também "para limitar as visitas de serviço humano", o que pode ser extremamente caro, devido à distância dos navios à costa e às despesas de transporte. Esse imperativo é importante para os pontos fortes da Siemens, já que eficiência e confiabilidade são marcas registradas da empresa há muito tempo, diz Carlos

O imperativo da confiabilidade

“Com as laterais superiores cheias de equipamentos de processamento, o desafio na construção de FPSOs é a complexidade”, diz Carlos, acrescentando que o Carioca está sendo construído na China com montagem final no Brasil. “Como você entrega em tempo hábil, enche-o de componentes que funcionarão de maneira confiável por 20 ou 25 anos em condições difíceis no mar e a um custo razoável?”, Pergunta Carlos.

Atualmente, cerca de 32 FPSOs MODEC são implantados em todo o mundo onde quer que haja produção de petróleo e gás em águas profundas - de Angola e Austrália ao México e Vietnã. E, após dois anos de baixa demanda causada por baixos preços do petróleo, os pedidos começaram a subir novamente. O analista de mercado IHS Markit relata que 50 FPSOs estão programados para entrega em todo o setor até 2022. O MODEC e a SGM Offshore, com sede na Holanda, os dois principais fabricantes mundiais de FPSOs, provavelmente receberão a maior parte dos pedidos.

Produção "pré-sal" em seus estágios iniciais

Alguns desses pedidos antecipados provavelmente virão da Petrobras, desde que a exploração das riquezas do "pré-sal" do Brasil, uma província de recursos que se estende por 800 quilômetros ao longo da costa atlântica do Brasil, ainda está em seus estágios iniciais. Alguns analistas acreditam que o Brasil poderá produzir mais de 6 milhões de barris de petróleo por dia até 2035, mais que o dobro de sua produção atual, graças em grande parte aos poços do "pré-sal".

Supondo que essas projeções ocorram, o mercado para os pacotes integrados de energia e compressão da Siemens deve continuar a crescer, assim como outras linhas de produtos da Siemens que passam nos lados superiores do FPSO, incluindo sistemas de automação e tratamento de água, sistemas de instrumentação e controles elétricos.

"Ganhamos contratos para quatro FPSOs nos últimos 18 meses e conseguimos adquirir ações nesse negócio", diz Carlos. “O mercado valoriza claramente nossas aquisições da unidade industrial Rolls-Royce e da Dresser-Rand, e está entusiasmado em vê-las adicionadas ao nosso portfólio”, diz Carlos.

11-07-2018
Chris Kraul: escritor freelancer, cobre a América Latina para o Los Angeles Times
Créditos das fotos: Modec International Inc.

Assine a nossa newsletter

Mantenha-se atualizado o tempo todo: Tudo o que você precisa saber sobre eletrificação, automação e digitalização.