Chineses ampliam investimentos e diversificam projetos no Brasil

Destaques

  • Volume acumulado chegou a US$ 57,9 bi em 2018

  • Estimativa para 2020 é superar US$ 10 bi

  • São oportunidades para empresas brasileiras

Principais parceiros comerciais do Brasil, os chineses avaliam possibilidades de expandir o investimento no Brasil em volume e em diversidade de projetos. O Brasil já é o 4º maior destino dos investimentos chineses nas áreas de infraestrutura e energia e a perspectiva de expansão desse fluxo de capital resulta em oportunidades para empresas brasileiras no desenvolvimento de novos projetos.

 

O momento não poderia ser mais propício”, afirmou o CEO da Siemens no Brasil e diretor do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China), André Clark em artigo. A política de abertura do mercado brasileiro promovida pelo governo federal e “o aprendizado dos últimos anos de que infraestrutura significa muito mais do que obras” devem ser aproveitados na relação Brasil-China, segundo o executivo.

 

A entrada do investimento chinês abre, inclusive, um leque de oportunidades para empresas brasileiras realizarem parcerias com empresas chinesas. Clark explica que “para que esse incrível potencial seja aproveitado ao máximo, com confiança e benefícios mútuos, a troca de ideias e o compartilhamento de know-how se fazem necessários”.

 

No dia 9 de setembro, durante a Conferência Anual do CEBC, em São Paulo, o CEO da Siemens no Brasil disse que expandir os investimentos chineses para novos potenciais de infraestrutura brasileiros é uma forma de girar a economia nacional. Para ele, as parcerias devem mirar “as infraestruturas, investimento em energia, geração de alimentos e sobre uma atuação de longo prazo entre os 2 povos”.

 

De 2007 a 2018, o país asiático investiu US$ 57,9 bilhões no Brasil em 145 projetos voltados, principalmente, para o setor de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Em 2019, governo e analistas esperam um aumento de investimentos chineses no Brasil. A Camex (Câmara de Comércio Exterior) estima 1 volume de US$ 785,6 milhões, baseado em dados do 1º trimestre do ano.

 

Apesar da queda de investimentos em nível global, a China permanece como principal parceira comercial brasileira e uma das economias em maior ritmo de expansão no mundo.

Nós teremos que lidar com uma China que avança em uma velocidade muito elevada, e teremos que nos inserir nesse processo.
Ex-embaixador do Brasil em Pequim, Marcos Caramuru, durante a conferência.

Em 2018, de acordo com pesquisa realizada pelo CEBC, os aportes chineses em projetos greenfield, projetos que são desenvolvidos a partir do zero, foram majoritários. Entre as iniciativas, 50% corresponderam aos aportes greenfield, seguidos pelo ingresso de capital através do modelo de fusões e aquisições, que corresponderam a 42% do total. Esses dados mostram o interesse dos chineses em investir não apenas nos setores tradicionais mas também em novos modelos de negócios.

 

Para o Coordenador de Análise e Pesquisa do CEBC, Túlio Cariello, “o governo (brasileiro) tem dado bons sinais para a China, investidores chineses e, principalmente, governo chinês, de que há interesse em garantir essa parceria e até expandir”. “Os investimentos chineses no Brasil são relativamente diversificados”, explicou Cariello, “a gente tem visto muito interesse chinês na área de logística, infraestrutura e indústria, também”.

 

Apesar dos sinais ambíguos sobre a relação entre os 2 países emitidos no início do governo Bolsonaro, durante a conferência do CEBC, o vice-presidente Hamilton Mourão garantiu que há interesse brasileiro em expandir as relações entre os país. “As expectativas apontam para um desempenho maior e melhor em matéria de comércio e investimentos, de cooperação em ciência, tecnologia, defesa, educação e muitos outros setores”, afirmou.

Estratégias para atração de investimentos chineses

Os chineses estão interessados em expandir sua atuação em uma série de setores no Brasil. Segundo o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, a China está aumentando a abertura do setor financeiro, de serviços, da agricultura, mineração e manufatura. Em relação às novas possibilidades de investimento, Wanming afirmou, durante a conferência, que o país está acelerando a abertura dos setores de telecomunicação, educação e saúde. “Estima-se que no próximo ano as imputações de bens e serviços da China vão superar a casa dos US$ 10 bilhões”, completou.

 

A expansão do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) e o fortalecimento do Fundo Brasil-China são algumas das formas de atrair investimentos das empresas chinesas. Para Túlio Cariello, “o interesse chinês em investir segue uma lógica de mercado, ou seja, surgindo oportunidades, os investidores chineses vão certamente aportar por aqui”.

 

Leia o infográfico ao lado com algumas das oportunidades de investimento previstas no PPI nos próximos anos:

 

Algumas das dificuldades enfrentadas pelos empresários chineses ao investir no Brasil, levantadas pelo Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), são as oscilações cambiais, a legislação tributária brasileira e questões trabalhistas locais, que destoam da legislação chinesa.

 

Nesse contexto, as ECAs (Agências de Créditos de Exportação, na sigla em inglês) podem ser uma alternativa para o comércio entre empresas nacionais e estrangeiras no Brasil. Para o CFO da Siemens, Wolfgang Beitz, essas alternativas cambiais somadas ao financiamento do BNDES e de bancos privados, tornam o pacote (de investimento) mais atrativos. Esses facilitadores de importação diminuem o risco cambial, tornando o investimento “mais interessante para o cliente final” ao facilitar a importação de partes de equipamentos operacionais e produtos de empresas internacionais, como a Siemens.

 

Nos últimos anos, as mudanças regulatórias no Brasil criaram ambientes mais favoráveis à participação do setor privado na economia e atração de investimentos estrangeiros, afirmou Mourão durante a conferência. Os projetos do PPI que estão em andamento englobam setores que movimentam grande capital, como ferrovias, aeroportos, rodovias e portos.

 

Expandir as fontes de financiamento locais

 

No último relatório do Cebri sobre investimentos chineses no Brasil, Marcos Caramuru ressalta a importância do Brasil aderir explicitamente ao projeto Belt & Road chinês e passar a utilizar as moedas nacionais. “Hoje, de 20% a 25% das compras chinesas no mundo são pagas em moeda local”, explica. O Belt & Road, ou BRI, é uma estratégia de desenvolvimento do governo chinês de promover os países da chamada Rota da Seda (Ásia, Oriente Médio e Leste Europeu) por meio de investimentos em projetos de infraestrutura em todo o mundo.

Para o ex-embaixador, do lado brasileiro, a expectativa é de intensificar as parcerias comerciais e estratégicas no setor de alimentos, com enriquecimento da pauta exportadora e maior cooperação tecnológica bilateral. Durante a conferência do CEBC, os principais potenciais de infraestrutura brasileiros levantados, que estão abertos ao investimento chinês são:

  • Petróleo, gás e novas fontes energéticas;
  • Aeroportos, portos e ferrovias;
  • Novas tecnologias e telecomunicação.

No campo de infraestrutura, a holding de energia State Grid e a especializada em energia hidrelétrica, Three Gorges, são exemplos de parcerias de sucesso. Ambas têm de 50% a 60% de seus ativos estrangeiros investidos no Brasil.

O relatório do Cebri também aponta a ampla diversidade de opções de cooperação econômica fora desses setores tradicionais relacionados à produção e transmissão de energia. Entre elas estão as áreas de manufaturas, produção de automóveis, logística, portos, agronegócio, mineração, serviços financeiros, óleo e gás.

Investimentos em novas tecnologias

Para o professor de Economia da Unicamp especializado em economia chinesa, Celio Hiratuka, os investimentos chineses têm, cada vez mais, caminhado em direção a promoção de novas tecnologias e avanço digital. Segundo Hiratuka, a China é um grande fornecedor de produtos em toda a área de tecnologia da informação, como a  implementação do 5G, onde “a China vem tentando explorar essas possibilidades”.

 

Os benefícios desse tipo de investimento incluem as possibilidades de criação de serviços atrelados à essas novas infraestruturas. Para ele, os chineses se aprimoraram na “aplicação de novas tecnologias para a resolução de alguns problemas de uso público, como na área de saúde, de mobilidade urbana, que são áreas interessantes”.

 

Nas últimas reuniões da Cosban (Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação), os governos brasileiro e chinês sinalizaram intenção em criar uma subcomissão para a elaboração de um projeto de parceria com foco em investimentos nas áreas de biotecnologia, nanotecnologia, cidades inteligentes, ciências agrícolas, energia renovável e mudanças climáticas.

 

O diálogo entre autoridades chinesas e brasileiras vem se intensificando. Em maio, a reunião da Cosban contou com a presença do vice-presidente Hamilton Mourão, e teve pela 1ª vez, do lado chinês, a presença do vice-presidente Wang Qishan. Tradicionalmente, a autoridade chinesa que costumam presidir a reunião é um dos vice-primeiro-ministros. A presença de Qishan demonstrou o interesse do Estado chinês em estreitar a conversa com o Brasil.

 

Do lado do governo brasileiro, o diálogo vem sendo conduzido principalmente pelo vice-presidente da República. Mas as autoridades máximas de cada país já têm 2 encontros previstos em 2019: o presidente Jair Bolsonaro deve realizar sua 1ª visita à China em outubro e o presidente chinês Xi Jinping deve vir ao Brasil em novembro para a cúpula dos Brics –grupo de países de economia emergente que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul– em novembro.

 

Conteúdo produzido e veiculado pelo Poder 360, disponível no link

Conecte-se conosco:

 

O cenário apresenta muitas oportunidades de investimentos que colocam o Brasil em uma posição vantajosa, no alvo de grandes investidores. Como estar preparado para elas?

 

Acompanhe nossa newsletter mensal, tenha acesso a informações relevantes, cases de sucesso e esteja cada vez mais conectado.

Gostaria de receber mais informações?

Assine nossa Newsletter