Baterias para armazenar energia, sem necessidade de investimento

A utilização de baterias de íon-lítio para armazenar energia gera vários benefícios para empresas, como redução de custos e redução no uso de óleo diesel, mas um novo modelo de negócio agora também possibilita que essas vantagens sejam incorporadas sem a necessidade de investimento por parte do cliente.

Oferecer energia limpa, confiável e mais barata. Com esse objetivo em foco, a Siemens passou a disponibilizar no Brasil um novo formato de armazenamento de energia, baseado em baterias de íon lítio. A solução, já disponível e instalada no mercado brasileiro, é o resultado de uma parceria entre a Comerc, empresa brasileira do ramo de energia, a Micropower Energy e a Siemens, que se tornou sócia do projeto que originou a nova solução.

A partir dessa união, nasceu a Micropower Comerc, cujo negócio é baseado no modelo bSaaS – do termo em inglês battery-storage-as-a-Service, ou seja, armazenamento por bateria como serviço.

Como funciona o modelo bSaaS?

Instalando baterias de íon lítio, grandes consumidores de eletricidade (lojas de varejo, shopping centers, hotéis, indústrias, edifícios comerciais, entre outros) podem utilizar essa fonte de energia para substituir o consumo da rede externa em horários de pico.

O processo de recarga das baterias pode ser programado para horários em que o custo da energia externa for menor.

As baterias também podem ser recarregadas por meio de geração própria de energia (com placas fotovoltaicas, biomassa etc.).

Além de significar redução de custos, o novo sistema também melhora a eficiência energética, reduzindo as oscilações e perdas causadas pelas interrupções da rede de distribuição.

Em casos de interrupção de energia, as baterias assumem o fornecimento de forma imediata, com tempo de resposta muito menor que o de geradores. Para efeito de comparação: um gerador pode levar mais de um minuto para iniciar o fornecimento, enquanto a bateria assume a tarefa apenas um segundo.

Como funciona o modelo bSaaS?

  • Instalando baterias de íon lítio, grandes consumidores de eletricidade (lojas de varejo, shopping centers, hotéis, indústrias, edifícios comerciais, entre outros) podem utilizar essa fonte de energia para substituir o consumo da rede externa em horários de pico.
  • O processo de recarga das baterias pode ser programado para horários em que o custo da energia externa for menor.
  • As baterias também podem ser recarregadas por meio de geração própria de energia (com placas fotovoltaicas, biomassa etc.).
  • Além de significar redução de custos, o novo sistema também melhora a eficiência energética, reduzindo as oscilações e perdas causadas pelas interrupções da rede de distribuição.
  • Em casos de interrupção de energia, as baterias assumem o fornecimento de forma imediata, com tempo de resposta muito menor que o de geradores. Para efeito de comparação: um gerador pode levar mais de um minuto para iniciar o fornecimento, enquanto a bateria assume a tarefa apenas um segundo.

Um dos primeiros clientes a optar pelo novo sistema no Brasil foi a Arcos Dorados, maior franquia McDonald’s do mundo, que passou a contar com uma bateria de íon lítio em sua unidade de Pinheiros (SP).

 

Além da redução nos custos de energia, a nova solução possibilita eliminar a necessidade de utilizar geradores a diesel, reduzindo a emissão de gases poluentes.

Atualmente, o Brasil utiliza mais de 4 bilhões de litros de diesel e derivados de petróleo para gerar eletricidade.

Cerca de 25% da energia que suporta a economia brasileira em horários de pico são oriundos da queima de usinas termelétricas que emitem gás carbônico.

Todo o leque de benefícios oferecidos pela nova solução não gera custos extras para o cliente: todo o pagamento pelo serviço prestado é feito por meio da economia gerada pelas baterias.