Pride – a mudança que surge de dentro para fora

Na Siemens, não tens de deixar a tua identidade à porta. Na Siemens, podes sentir que pertences.

Ao longo do mês de junho, celebra-se internacionalmente o Mês do Orgulho. Ao longo destes 30 dias, milhões de pessoas por todo o mundo marcham pelas ruas dos seus países, numa celebração da comunidade LGBTQIA+, dos marcos conquistados e a lutar pelos ainda a alcançar.

 

Historicamente, esta comunidade tem enfrentado desafios de aceitação na sociedade e é a missão da Siemens, e especialmente do grupo do Divin, garantir que todos os nossos colaboradores se sentem incluídos, vistos e apoiados – independentemente da sua orientação sexual e identidade de género.

 

É precisamente com a missão de criar um espaço seguro e um ambiente inclusivo para toda a comunidade LGBTQIA+ que surge o pilar do Pride no âmbito do grupo do Divin. Segundo o estudo da European Union Agency for Fundamental Rights de 2019, cerca de 1 em cada 4 pessoas desta comunidade não se sente segura em revelar a sua orientação sexual ou identidade de género no local de trabalho, e 1 em cada 5 admite já ter sofrido algum tipo de discriminação no espaço corporativo.

 

Para garantir que isso não é uma realidade na nossa empresa, a Siemens inclui no seu plano de ação de diversidade e inclusão a temática LGBTQIA+, já que é um tema que geralmente fica fora de esfera corporativa por haver a conceção de que faz parte apenas da vida privada dos colaboradores. É importante que exista cada vez mais a noção de que restringir estes temas à esfera da sexualidade é redutor.

Afinal, o que significa LGBTQIA+?

LGBTQIA+ é um acrónimo que significa Lésbica, Gay, Bissexual, Transgénero, Queer, Intersexual e Assexual.

 

Geralmente, o acrónimo mais utilizado é apenas LGBT, mas existe cada vez mais um esforço por tornar a sigla o mais inclusiva possível, de modo a criar também uma consciencialização em torno do enorme espetro que representa.

De que forma está a comunidade LGBTQIA+ representada na Siemens?

A nível global existem várias iniciativas, como a celebração anual do Dia Internacional contra a Homofobia (17 de maio). Além disso, existem ainda vários grupos de Yammer (rede social interna) dedicados ao Pride , aos quais os colaboradores se podem juntar para se manterem atualizados sobre as ações que se vão realizar, e onde podem também partilhar as suas opiniões e testemunhos pessoais sobre o tema.

 

A criação do DivIn Portugal revelou-se essencial, passando a existir um espaço para os colaboradores de ação e de think tank para os desafios enfrentados por esta comunidade, que não existia até então.

Porque não incluir esta questão no pilar ‘Race, Etchnicity and other minorities’, por exemplo?

A comunidade LGBTQIA+ enfrenta desafios específicos, ligados a algumas áreas sociais e tradicionais que são diferentes dos desafios culturais ou de mobilidade física de outras minorias. Um pilar específico dedicado ao Pride permite um investimento mais focado na mitigação dos desafios e possibilita uma resposta mais adequada aos mesmos, dando também mais visibilidade à causa.

Que medidas estão em vigor para colmatar os desafios que a comunidade LGBTQIA+ enfrenta?

Como forma de proteção de todos os colaboradores, um dos principais instrumentos de que a Siemens dispõe são as Business Conduct Guidelines (BCG) que estabelecem como inaceitável qualquer tipo de discriminação com base no “género, orientação sexual e identidade de género”. Cada pessoa que entra na empresa está sujeita a essas normas de conduta. Caso não sejam cumpridas estas diretrizes, existe um canal de denúncias “Tell Us” vocacionado para todos os tópicos presentes nas BCG onde qualquer colaborador pode reportar situações de incumprimento.

 

Além disso, todos os colaboradores têm acesso a formações através da plataforma My Learning World, caso queiram aprender mais sobre este tema.

 

Localmente, têm sido criadas várias iniciativas com o intuito de criar um espaço seguro dentro da empresa. Entre estas, destaca-se o envio de “A letter from a colleague, to you”, uma carta aberta a todos os colaboradores da Siemens Portugal onde uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ que “não saiu do armário” expõe os seus receios e dificuldades, não só em ambiente corporativo, como fora, e cujo principal objetivo foi sensibilizar para os desafios, muitas vezes invisíveis, que as pessoas LGBTQIA+ enfrentam no local de trabalho. A receção à carta foi muito positiva, originando uma onda de comentários de apoio e partilhas nas redes sociais.

 

Outra iniciativa importante é a criação de awareness sessions em conjunto com os restantes pilares, inicialmente dedicadas às chefias e expandidas para toda a empresa.

 

Mais recentemente, a participação no evento global do IDAHOBIT (Dia Internacional Contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia) e a colocação de stickers com as cores da bandeira LGBTQIA+ em todas as entradas do Campus de Alfragide são ações cujo impacto tem sido notório, não só pela promoção de um ambiente que promove a expressão pessoal na empresa, garantindo sempre a proteção da identidade, mas pelo aumento do número de voluntários que se decidiram juntar ao Divin. 

Que medidas estão planeadas para o futuro?

Brevemente, será criada uma rede de aliados (iniciada na celebração do IDAHOBIT 2022), será construído o diversity guideline, com o objetivo de aprofundar os aspetos relacionados com diversidade e inclusão já consagrados na BCG, com foco nos 5 pilares do DivIn. Além disso, serão realizados eventos em datas comemorativas de forma a dar visibilidade a cada grupo que pertence à comunidade e a difusão de informação através de novas formações e partilhas nas redes sociais.

 

 

A Siemens tem a responsabilidade de contribuir para um ambiente autêntico, livre e com mais expressão de identidade dentro e fora da empresa. Este é um caminho que estamos a percorrer e no qual nos manteremos focados – porque a mudança surge de dentro para fora.